Dicionário analógico e Thesaurus essencial


Dicionário analógico da língua portuguesa 

Thesaurus essencial: dicionário analógico

Público-alvo

Escritores, estudantes, profissionais ou quaisquer pessoas que queiram se expressar bem e corretamente.

Diferencial

O Dicionário analógico da língua portuguesa é o dicionário a ser utilizado quando se quer expressar uma ideia e não se encontra a expressão mais adequada. Diferente de um dicionário de sinônimos, que coloca lado a lado palavras de mesmo significado, o Dicionário analógico propõe expressões de significados que estão em áreas próximas, análogas, ampliando muito mais a possibilidade de escolha e sugerindo àquele que o consulta a palavra que estava procurando para se expressar e não encontrava.

Destaques

O Dicionário analógico é um dicionário temático, ou seja, organizado por temas e não por ordem alfabética. Pode-se tanto buscar o tema ao qual a palavra está relacionada ou recorrer ao índice com mais de 100 mil entradas (palavras e expressões) em ordem alfabética, enviando a quase 160 mil referências diferentes, uma coleção de conceitos de grande importância e valor para quem escreve.

O Thesaurus essencial possui todos os verbetes essenciais do analógico (em torno de algumas dezenas de milhares) organizados por ordem alfabética e também um índice para facilitar ainda mais a pesquisa. Sua edição tem formato semelhante ao de bolso.

Exemplo de verbete

Graus de evidência

  1. Possibilidade, potencialidade, virtualidade, o que pode acontecer, o que é possível, conceptibilidade, compatibilidade (acordo) 23; praticabilidade, exequibilidade, viabilidade, contingência, acaso 156.
  2. ser (possível & adj.); ter seu lugar, haver possibilidade, poder ser, estar em via de, ser suscetível de, admitir, comportar, ter viso de verdade, apresentar-se como possível, parecer; não estar fora das leis naturais/humanas/ divinas; nada ter de impossível;
tornar possível, possibilitar, viabilizar, pôr no caminho de, facilitar.

Adj. possível, factível, in posse, concebível, conceptível, admissível, crível, acreditável, compatível, que está nos limites do possível; praticável, fazível, virtual, realizável, acabável, exequível, viável, executável, fidedigno perpetrável, contingível, acessível, transponível, explorável, navegável, superável, verificável, atingível, natural, contingente (incerto), discutível, permissível.

Adv. possivelmente & adj.; dentro dos limites do possível, talvez, quiçá, acaso, por ventura, é de crer, como se pode presumir, se Deus quiser, se Deus o permitir, se Deus for servido, se aprouver a Deus, se Deus não mandar o contrário, Deo volente, com a ajuda de Deus.

FRASE: Se non é vero, é bene trovato.

Contribuição textual

A contribuição deste Dicionário para a produção textual está em evitar a utilização de palavras genéricas (sobretudo substantivos e verbos). Por exemplo:

O verbo “colocar” pode ter o seu significado ampliado por diversos usos. Por isso, tornou-se altamente genérico e empobrecedor da expressão verbal. Com o Dicionário analógico pode-se encontrar o termo adequado em lugar de utilizar o verbo, basta recorrer ao índice no final do livro. Lá aparece “colocar”, relacionado a cinco áreas de ideias afins, representadas cada uma por um substantivo análogo (arranjo, comissão, localização, reunião, venda). Estes cinco substantivos é que devem ser, então, consultados como os verbetes onde, na relação dos verbos análogos, se encontrará o mais adequado a cada construção sintático-semântica do verbo “colocar”.

Antes de consultar o Dicionário analógicoApós consultar o Dicionário analógico
Colocar o dinheiro no bancoDepositar o dinheiro no banco
Colocar a mão no balde com água quenteImergir a mão no balde com água quente
Colocar a chave na fechaduraIntroduzir a chave na fechadura
Colocar as mercadorias na vitrineExpor as mercadorias na vitrine
Colocar os móveis na salaDispor os móveis na sala
Colocar a escada no muroEncostar a escada no muro
Colocar uma faixa no quadrilPassar uma faixa no quadril

Não é um erro utilizar genericamente um verbo como “colocar”. Mas a expressão linguística peca em precisão e adequação e se torna reveladora de uma pessoa que tem recursos idiomáticos, no caso lexicais, bem limitados, na produção de textos escritos. 

Uso em sala de aula

As práticas de leitura e escrita podem ser consideradas ferramentas úteis, não apenas para transmitir uma mensagem, mas também como forma de adquirir conhecimento e incentivar o raciocínio. Alunos em fase de alfabetização aprendem a ler e a escrever para poderem se introduzir no âmbito da comunicação, bem como para terem um melhor aproveitamento de qualquer disciplina. Isso mostra que o aprendizado dessas duas atividades não é fechado e não se resume ao livro de português.

Um dicionário analógico será sempre de utilização valiosa para o trabalho do professor com seus alunos em sala de aula, e de cada estudante em sua prática pessoal de produção textual. O importante é levar o aluno a se valer desse dicionário em situações concretas de sua escrita. Diferentemente de um dicionário tradicional, que explica o significado das palavras, o Dicionário analógico oferece ao leitor palavras análogas agrupadas por tema, sem limitá-las a sinônimos. O Dicionário na versão essencial é um ótimo instrumento para o cotidiano das escolas, por oferecer palavras e expressões que passam a integrar o domínio da escrita dos educandos, evitando a repetição de palavras. Seu formato pequeno e leve lhe dá um caráter versátil, apropriado para que estudantes ampliem seu vocabulário e compreensão da língua, levando ao maior entendimento da relação entre forma e conteúdo.

O uso do Dicionário analógico/Thesaurus em sala de aula viabiliza a interação do aluno com as palavras e suas modulações, pondo em prática o dinamismo e a destreza dos mesmos não só na produção de textos, mas também nos mais diversos contextos comunicacionais. Valhamo-nos de uma ocorrência textual bem elucidativa. Sabemos que há palavras, sobretudo substantivos, verbos e adjetivos, que são empregados repetidamente, revelando um domínio limitado das unidades da língua. Logo, se um aluno escreve em meio à sua narrativa “Meu colega fez um pedido ao diretor da escola” e a seguir diz “O pedido que fez ao diretor da escola não foi atendido”, caberá ao professor mostrar a repetição do substantivo “pedido”. Ótima oportunidade para recorrer ao Dicionário analógico. Como proceder?

Primeiro deve-se procurar o verbete pedido no índice, ao final do livro, que direciona o leitor aos diversos grupos semânticos onde a palavra pode ser encontrada. Que outro substantivo que não torne a frase exemplificada pedante ou grosseira, por exemplo, poderá ser utilizado no lugar de pedido? No verbete, encontramos o substantivo solicitação, um dos que podem substituir pedido na frase do aluno. Substantivos como reclamação, súplica ou apelo não seriam adequados, pois mudariam o sentido da frase. Com a participação do professor, fundamental na orientação do aluno no uso do dicionário, a procura da palavra ou da expressão ideal se tornará uma experiência educacional instrutiva e interativa.

Para nos comunicarmos bem, é preciso saber reconhecer as nuances do discurso e das palavras, e, sobretudo, ter desenvoltura para lidar com as mesmas. Afinal, aprender uma língua é estar constantemente aprendendo novos modos de dizer. Com o Dicionário analógico/Thesaurus, os alunos têm acesso ao conhecimento e ao bom uso do português, o que proporciona o enriquecimento da escrita. Esse Dicionário é de grande serventia no ensino: sua utilidade é pautada na oferta de palavras e expressões que contribuem para a diversificação da linguagem do educando. Habituando-se a consultar este Dicionário, ele se sentirá mais seguro e mais estimulado a se expressar melhor, o que contribui também para um ensino mais produtivo da língua.