A arte de mandar em português

Estudo sintático-estilístico baseado em autores portugueses e brasileiros

artedemandar3

A arte de mandar em português, do professor lusitano João Malaca Casteleiro, que encontrava-se inédito até então, foi inicialmente apresentado em 1961 como dissertação de licenciatura em filologia românica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O trabalho, orientado por Luís Filipe Lindley Cintra, Jacinto do Prado Coelho e Maria de Lourdes Belchior Pontes, atendia pelo título “A expressão da ordem na língua portuguesa do século XX. Estudo sintático-estilístico baseado em autores portugueses e brasileiros”.

Convidado pela Universidade de Línguas Estrangeiras de Pequim para o concurso do Instituto Politécnico de Macau, em agosto de 2011, participou do seminário comemorativo do cinquentenário do primeiro curso de licenciatura em português de toda a China, em que apresentou sua dissertação de licenciatura. Esta bem acolhida pelos participantes, na sua grande maioria professores de português, os quais incentivaram sua publicação, graças a seu caráter atual e sua contribuição para o conhecimento e ensino dos atos de fala diretivos, no domínio da expressão da ordem.

A arte de mandar trata sobretudo de uma reinterpretação das antigas categorias e classes gramaticais, em função do valor que têm na frase. Consideremos o seguinte exemplo: encontram-se várias pessoas reunidas; uma delas prepara-se para cantar, mas as restantes continuam a falar; um dos ouvintes impõe-se e grita:

“ – Silêncio! Vai tanger a lira do poeta.” (Conde Barão, 42)

Em que classe gramatical deveremos agrupar aquela forma “Silêncio!”, que traduz neste caso uma “ordem”? A gramática tradicional ou a considera entre os substantivos ou a inclui, única e simplesmente, entre as interjeições, contudo, tal expressão não cabe nem numa nem noutra classe de palavras, e sim nas duas ao mesmo tempo. Consideremos, então, a expressão como um nome interjecional, de caráter ativo, equivalente a uma verdadeira frase, sendo ela própria o predicado.

Mas se a compararmos com as interjeições propriamente ditas, tais como schiu, pst etc., notamos logo uma grande diferença: enquanto estas estão desprovidas de qualquer conteúdo significativo, apenas adquirido de acordo com as circunstâncias, aquela evoca sempre um significado e associa-se à ideia de “estar calado”, de “ausência de ruídos”.

Orientados pelo ponto de vista funcional e pelas variadas formas de expressão linguística, verificaremos que o domínio da linguagem ativa ultrapassa em muito o plano gramatical do imperativo e do vocativo.

A Lexikon Editora publica A arte de mandar em português com o objetivo de mostrar a riqueza de formas de que dispõe a língua portuguesa para expressar a noção da ordem, buscando apoio teórico e documental fornecidos por textos literários de autores portugueses e brasileiros.

Autor: João Malaca Casteleiro
ISBN: 978-85-8300-006-8
Gênero: Linguística
Páginas: 272
Formato: 13,8 x 21 cm
Preço: R$ 59,00

COMPRAR

vendas@lexikon.com.br

Não há comentários, seja o primeiro a comentar